A benção de ser mãe

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Do coração de uma mulher




Se tivesse que abrir meu coração, eu contaria todos os segredos nele contidos, os que me confesso e os que até a mim mesma tento negar...



Eu falaria da minha esperança, das lutas, da briga por uma felicidade que eu nem sei se existe, mas que insisto em querer buscar, da minha recusa em aceitar estar presa a não ser que essa prisão seja minha própria escolha...



Eu diria, provavelmente, que essa fragilidade é apenas aparente ou que até nas horas mais fortes meu coração pede abrigo e compreensão...



Eu contaria, talvez, do orgulho que me impediu de viver horas bonitas, mas que quando olhei para trás já era tarde demais, dos meus arrependimentos, dos perdões que tive que conceder a mim mesma para continuar a levar uma vida tão normal quanto possível. 



 E também do meu desejo de ter filhos, criar e procurar neles meus próprios traços e da minha alegria em encontrá-los.



Eu mencionaria minha mãe, que entendi depois, quando me tornei mãe também e confessaria com orgulho o quanto a admiro e o quanto a amo.



Eu até lembraria minha infância, minhas dúvidas da adolescência, meu desejo de crescer e de continuar menina, das vezes que me senti tola e briguei comigo mesma, me fiz inúmeras promessas e que esqueci quando o coração bateu forte novamente. 



Eu não conteria minhas lágrimas se tivesse que abrir meu coração, eu assumiria, beberia todas elas como bebi na taça das dores que sofri, dos amores que vi partir e dos que eu mesma abri mão. 



Eu sei que há coisas que nunca aprendi e que provavelmente nunca aprenderei, sei que da vida bebi e ainda beberei, mas que sairei um dia inteira, cheia de marcas e cicatrizes, mas mais que nunca me sentirei mais mulher.



Uma mulher nunca diz tudo, há segredos que ela guarda só pra ela, que não confessa nem para a melhor amiga e é isso que a torna um ser assim tão cheio de mistérios, tão precioso, tão humano e tão excepcional.



Letícia Thompson
Fonte- http://www.leticiathompson.net/
Foto-Rose Nakamura

5 comentários:

  1. "Eu sei que há coisas que nunca aprendi e que provavelmente nunca aprenderei, sei que da vida bebi e ainda beberei, mas que sairei um dia inteira, cheia de marcas e cicatrizes, mas mais que nunca me sentirei mais mulher."

    Amei amiga, lindo e verdadeiro.
    Obrigada por compartilhar conosco.
    Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  2. Oiie flor, seu blog é mt lindo e fofo!
    Já estou seguindo!
    Segue de volta??
    Mt Obrigada!
    Beeijokas com gloss!

    http://girlsinparis-mi.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá minha querida amiga Rose, boa noite!!!
    Belíssima mensagem minha querida amiga, Letícia Thompson é sensacional em seus texto, são sempre pautados em muita sabedoria e verdades, sendo ela uma mulher, com certeza sabe muito bem o que está falando... mas os homens também tem esses segredinhos guardados a sete chaves... Valeu minha amiga, adorei a mensagem!!!
    Desejo a você e aos seus um ótimo e abençoado final de semana!!!
    Tenha uma linda e abençoada noite!!!
    Beijos com carinho e muita paz!!!

    ResponderExcluir
  4. Rose,

    que espaço maravilhoso, por isso estará vinculado ao meu, que é bem mais simples.

    http://comversoemrima.blospot.com

    Abração,
    Márcio Barreto

    ResponderExcluir
  5. Oi queria... li poucas coisas de Letícia Thompson, e achei este poema belíssimo, o que vai me levar a pesquisar mais sobre ela!
    Adorei a escolha e a mensagem!
    Beijo no coração

    ResponderExcluir

Não estamos publicando comentário anônimos.

Visite

Participe

assinantes
fãs
seguidores
artigos
comentários

Informe seu email para receber novos artigos